domingo, 12 de junho de 2016

Santo Antônio - O Santo de Todo Mundo

Olá!!!
Paz e Benção!!!


Hoje vamos aprender um pouco mais sobre a vida de Santo Antônio, Santo e Doutor da Igreja, chamado pelo Papa Leão XIII de: O Santo de Todo Mundo. 

Infância e Juventude
Nascido Fernando Antônio de Bulhões e Taveira de Azevedo, em Lisboa, Portugal, em 15 de agosto do ano de 1195. De família nobre e rica, era filho único de Martinho de Bulhões, oficial do exercito de Dom Afonso e de Tereza Taveira. Sua formação inicial foi feita pelos cônegos da Catedral de Lisboa. Fez os primeiros estudos na Igreja de Santa Maria Maior (hoje Sé de Lisboa), sob a direção dos cônegos da Ordem dos Regrantes de Santo Agostinho. Depois ingressou como noviço da mesma Ordem, no Mosteiro de São Vicente de Fora, iniciou os estudos para sua formação religiosa. A biblioteca de São Vicente de Fora era afamada pela sua rica coleção de manuscritos sobre as ciências naturais, em especial a medicina, o que pode explicar as constantes referências científicas em seus sermões. Poucos anos depois pediu permissão para ser transferido para o Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra, a fim de aperfeiçoar sua formação e evitar distrações profanas, já que era constantemente visitado por amigos e parentes. Coimbra era na época o centro intelectual de Portugal, e ali deve ter-se envolvido profundamente no estudo da Bíblia e nos textos dos Padres da Igreja. 
Na juventude foi atacado duramente pelas paixões sensuais. Mas não se deixou vencer e com a ajuda de Deus as dominou. Se fortalecia visitando o Santíssimo Sacramento. Desde menino havia consagrado a Santíssima Virgem e a ela encomendava sua pureza. Em Coimbra o Padre Antônio conhece os freis franciscanos, entusiasma-se pelo fervor e radicalidade com que estes viviam o Evangelho e, pouco depois, torna-se Frei Antônio, mudando-se para o mosteiro de São Francisco de Assis.

Frei Antônio
Agora, já Frei, Antonio faz o pedido de ir para o Marrocos pregar o evangelho e os Franciscanos permitiram, mas no meio do caminho, porém, Frei Antônio fica muito doente e é forçado a voltar para Portugal. Na viagem de volta, o barco é desviado e vai para Itália, terminando por parar na Sicília, em um grande encontro de mais de 5 mil frades franciscanos chamado Capítulo das Esteiras. Lá, Antônio conhece pessoalmente São Francisco de Assis e os seus primeiros seguidores. Foi designado para um eremitério em Montepaolo, na província da Romagna, ali passou cerca de quinze meses em intensas meditações e árduas disciplinas.
Em novembro de 1223 o papa Honório III sancionou a forma final da Regra da Ordem Franciscana, autorizando uma formação mais aprimorada, desde que submissa ao trabalho manual, à prece e à vida espiritual. Recebendo a aprovação para a tarefa pastoral do próprio Francisco de Assis, fixou-se então em Bolonha, onde se dedicou ao ensino da teologia na universidade e à pregação. Deslocando-se em seguida para a França, ensinou nas universidades de Toulouse e Montpellier, passando também por Limoges.
Em seu ardor missionário, um dia foi a pequena cidade de Rimini anunciar o Evangelho. Mas o povo não quis saber de ouvi-lo. Por mais que ele insistisse, ninguém lhe dava ouvidos, e até viravam as costas para ele. Mas Santo Antônio não se deu por vencido. Como ao lado da cidade passava um rio, ele foi até a beira do rio e começou a pregar para os peixes: "Peixes, criaturas de Deus, vinde ouvir-me. Vós também fostes redimidos por Jesus Cristo..." E aconteceu o milagre: Cardumes inteiros aproximaram-se do Santo e punham a cabeça fora da água, em atitude de escuta. O povo ficou tão assustado com aquilo, que uma grande multidão se reuniu para ouvir Santo Antônio.
Alguns milagres lhe são atribuídos ainda em vida, os mais conhecidos são: 
  • Quando em disputa com um herege albigense sobre a presença ou não do Deus vivo na hóstia consagrada, o herege, chamado Bonvillo, disse que se uma mula, tendo passado três dias sem comer, honrasse uma hóstia em detrimento de uma ração de aveia, ele acreditaria no santo. Segundo a história, assim que a mula foi liberta de seu cercado, faminta, desviou-se da ração e ajoelhou-se diante da hóstia que António lhe mostrava.
  • Restaurou o pé amputado de um jovem
  • Durante sua pregação num consistório diante do papa, vários cardeais e clérigos, e gentes de várias nações, quando, discorrendo com sutilíssimo discernimento sobre intrincadas questões teológicas, cada um dos presentes teria ouvido a pregação na sua própria língua materna. Na ocasião, diante de tão assombroso fenômeno, que parecia uma reedição do Pentecostes bíblico, o papa o teria chamado de "a arca do Testamento, o arsenal da Sagrada Escritura"
  • Outro milagre famoso trata-se da aparição do Menino Jesus ao santo durante uma de suas orações, uma cena multiplicada abundantemente em sua iconografia.

A Morte de Santo Antônio
Pouco depois da Páscoa de 1231 sentiu-se mal, declarou-se hidropisia e ele deixou Pádua, na Itália, para dirigir-se ao eremitério de Camposanpiero, nos arredores da cidade mas apenas tendo alcançado o convento das clarissas de Arcella, subúrbio de Pádua, Antes de falecer nas portas de Pádua, Santo Antônio diz: ó Virgem gloriosa que estais acima das estrelas. E completou, estou vendo o meu Senhor. Em seguida, faleceu, em 13 de junho de 1231, aos 36 anos de idade. 
As clarissas reclamaram seu corpo, mas a multidão acabou sabendo de seu passamento, tomou-o e o levou para ser sepultado na Igreja de Nossa Senhora. Houve relatos de que em Lisboa, Portugal, os sinos das igrejas começaram a repicar sozinhos e só depois o povo soube da morte do Santo. Ele também é chamado de Santo Antônio de Lisboa, por ser sua cidade de origem.

Sua fama de santidade era tamanha que foi canonizado logo no ano seguinte, em 30 de maio, pelo papa Gregório IX, foi o processo de canonização mais rápido da história da igreja. Seus restos mortais repousam desde 1263 na Basílica de Santo António de Pádua, construída em sua memória logo após sua canonização. Quando sua tumba foi aberta para iniciar o processo de translado, sua língua foi encontrada incorrupta, e São Boaventura, presente no ato, disse que o milagre era prova de que sua pregação era inspirada por Deus. E incorrupta está até hoje, em exposição na Capela das Relíquias da Basílica. Em 1934 foi declarado Padroeiro de Portugal. Em 1946 foi proclamado Doutor da Igreja pelo Papa Pio XII.

Sua festa Litúrgica é celebrada no dia 13 de junho.


Fontes pesquisadas:
Cruz Terra Santa, acesso em 11 de junho de 2016;
Orações Católicas, acesso em 11 de junho de 2016;
Wikipedia, acesso em 11 de junho de 2016;
Canção Nova, acesso em 11 de junho de 2016;
Catequese Católica, acesso em 11 de junho de 2016.

Nenhum comentário:

Postar um comentário